Política

Presidente chinês Xi Jinping anuncia apoio à África de mais de um bilhão de doses de vacinas contra COVID-19 e promete implementar em conjunto nove programas

 O presidente chinês, Xi Jinping, anunciou na segunda-feira que a China fornecerá à África um bilhão de doses adicionais de vacinas contra COVID-19 e prometeu implementar em conjunto nove programas de cooperação futura China-África.”Estou convencido de que os esforços conjuntos da China e da África farão desta Conferência do FOCAC um sucesso total, que reunirá a força poderosa de 2,7 bilhões de chineses e africanos e nos guiará em direção a uma comunidade China-África de alto nível com um futuro compartilhado”, disse Xi durante a cerimônia de abertura da Oitava Conferência Ministerial do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC) por videoconferência.

A conferência, realizada em 29 e 30 de novembro na capital do Senegal, Dacar, avaliará a implementação dos resultados da Cúpula do FOCAC de Beijing 2018 e abrirá novas perspectivas para a cooperação sino-africana.

SOLIDARIEDADE ANTI-PANDÊMICA

Para ajudar a União Africana (UA) a atingir sua meta de vacinar 60% da população africana até 2022, o presidente Xi anunciou que a China fornecerá mais um bilhão de doses de vacinas à África, incluindo 600 milhões de doses como doação e 400 milhões de doses a serem fornecidos através de meios como a produção conjunta por empresas chinesas e países africanos relevantes.

“Além disso, a China realizará 10 projetos médicos e de saúde para os países africanos e enviará 1.500 profissionais médicos e especialistas em saúde pública para a África”, acrescentou Xi.

Até 12 de novembro de 2021, a China já forneceu mais de 1,7 bilhão de doses de vacinas contra COVID-19 a mais de 110 países e organizações, incluindo 50 países africanos e a Comissão da UA.

Enquanto isso, as empresas chinesas estão ativamente envolvidas na produção conjunta de vacinas no continente africano com empresas locais, ajudando os países, conforme seus desejos, a realizar a produção localizada de vacinas. Até o momento, eles iniciaram a produção localizada no Egito e assinaram acordos de cooperação com o Marrocos e a Argélia.

Cavince Adhere, um pesquisador em relações internacionais baseado no Quênia, disse que a pandemia da COVID-19 serviu para destacar a forte parceria entre a China e a África no setor de saúde.

“A China agora é considerada o principal fornecedor de vacinas contra COVID-19 para a África e uma forte defensora da liberalização da propriedade intelectual para permitir que os países africanos fabriquem as commodities e salvem ainda mais sua população e economias dos impactos da crise de saúde global”, acrescentou Adhere.

A China e a África uniram forças para enfrentar o grave desafio trazido pela COVID-19, reforçando ainda mais sua amizade, e a solidariedade entre os povos chinês e africano permitiu-lhes superar dificuldades e obstáculos e construir um futuro brilhante, disse Xu Bu, presidente do Instituto de Estudos Internacionais da China.

NOVAS PERSPECTIVAS

“Precisamos abrir novas perspectivas para a cooperação China-África, expandir o comércio e o investimento, compartilhar experiências na redução da pobreza, fortalecer a cooperação na economia digital e promover o empreendedorismo de jovens africanos e o desenvolvimento de pequenas e médias empresas”, assinalou Xi, pedindo o aprofundamento da cooperação prática entre os dois lados.

Ele disse que a China trabalhará em estreita colaboração com os países africanos para implementar os nove programas, nomeadamente o programa médico e de saúde, o programa de redução da pobreza e desenvolvimento agrícola, o programa de promoção comercial, o programa de promoção de investimentos, o programa de inovação digital, o programa de desenvolvimento verde, o programa de capacitação, o programa de intercâmbio cultural e interpessoal e o programa de paz e segurança.

Segundo Xi, a China conduzirá 10 projetos agrícolas e de redução da pobreza para a África, fornecerá US$ 10 bilhões de financiamento comercial para apoiar as exportações africanas e construirá na China uma zona pioneira para o comércio e cooperação econômica profunda China-África e um parque industrial para a cooperação do Cinturão e Rota dos dois lados.

A China também encorajará suas empresas a investir pelo menos US$ 10 bilhões na África nos próximos três anos, empreenderá dez projetos de economia digital para a África, dez projetos de desenvolvimento verde, proteção ambiental e ação climática para a África, ajudará a construir ou modernizar dez escolas na África e convidará 10.000 profissionais africanos de alto nível para seminários e workshops, acrescentou Xi.

A China permanece o maior parceiro comercial da África nos 12 anos desde 2009, e a proporção do comércio da África com a China no comércio exterior total do continente continuou a aumentar, ultrapassando 21% em 2020.

Buyile Matiwane, vice-presidente do Congresso de Estudantes da África do Sul, disse que a China é a maior fonte de investimento estrangeiro direto da África, e este tipo de investimento é crucial na criação de uma plataforma para maximizar o estabelecimento de cadeias de valor e mercados nacionais, enquanto melhora as condições para o desenvolvimento econômico e social em todo o continente africano.

“As estradas, aeroportos, ferrovias, portos, hospitais e todos os tipos de infraestrutura que estão sendo construídos pela China nos ajudarão a desenvolver os mercados intercontinentais”, acrescentou Buyile Matiwane.

Xu Bu ressaltou que a cooperação China-África, após anos de esforços dedicados, mostra a forte resiliência, com novos pontos de crescimento emergindo constantemente, e a “árvore” da cooperação sino-africana não será abalada por nenhuma força no futuro.

COMUNIDADE COM FUTURO COMPARTILHADO NA NOVA ERA

Na Cúpula do FOCAC de Beijing realizada em setembro de 2018, os dois lados decidiram construir uma comunidade China-África ainda mais forte com um futuro compartilhado e conduzir as relações e cooperação sino-africana para uma nova era.

Na cerimônia de abertura da Oitava Conferência Ministerial do FOCAC, Xi apresentou quatro propostas para construir uma comunidade China-África com um futuro compartilhado na nova era, esperando que os dois lados lutem contra a COVID-19 com solidariedade, aprofundem a cooperação prática, promovam o desenvolvimento verde e defendam a igualdade e a justiça.

O ministro adjunto das Relações Exteriores da China, Wu Jianghao, disse que a China, o maior país em desenvolvimento, e a África, o continente com o maior número de países em desenvolvimento, estão intimamente ligados por experiências históricas semelhantes, lutas comuns e tarefas comuns de desenvolvimento.

A China e a África alcançaram benefícios mútuos e desenvolvimento comum por meio da cooperação prática e sempre são uma comunidade com um futuro compartilhado, acrescentou Wu.

Wu Chuanhua, pesquisador associado do Instituto China-África, observou que a comunidade China-África com um futuro compartilhado se tornou um modelo de compartilhamento de bem-estar e desgraça, parceria igualitária, segurança comum, desenvolvimento comum, aprendizado mútuo entre civilizações e desenvolvimento verde .

Desde o estabelecimento do FOCAC há 21 anos, a China e seu povo têm cooperado com os países e povos africanos com base nos princípios de amizade, unidade, confiança mútua e respeito, disse o presidente senegalês, Macky Sall.

“É também o princípio que devemos manter em nossa visão para o futuro. Só assim podemos aprofundar a parceria África-China, promover o desenvolvimento sustentável e contribuir para a construção de uma comunidade China-África com um futuro compartilhado na nova era”, disse Sall.

Fonte : Embaixada da China em STP 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo