Sociedade

PJ : “Carlos Vila Nova foi detido mas o MP mandou soltar o arguido com base numa carta da ADI”

Maribel Rocha Directora da Polícia Judiciária de São Tomé e Príncipe, anunciou que o ex-Ministro Carlos Vila Nova, é um dos suspeitos na prática de um conjunto de crimes, nomeadamente participação económica em negócios, enriquecimento ilícito, corrupção passiva para actos ilícitos, e branqueamento de capitais.

Segundo a Directora da PJ, as provas contidas na queixa crime que deu entrada na instituição, permitiu a polícia trabalhar e apurar «que existem indícios mais do que suficientes, dos suspeitos na prática de tais crimes».

Para além do ex-Ministro das Finanças Américo Ramos, o ex-ministro das obras públicas e infra-estruturas Carlos Vila Nova é um dos suspeitos. Por isso segundo a directora da PJ, Carlos Vila Nova foi impedido de sair do país na passada quinta – feira quando se preparava para viajar rumo a Portugal. «A Polícia Judiciária cumpriu uma ordem judicial de proibição de saída de um dos suspeitos, que pretendia ausentar-se do país. E de seguida o mesmo foi notificado para comparecer no dia seguinte na Polícia Judiciária», explicou a Directora da PJ.

Quando o ex-ministro chegou as instalações da PJ na sexta feira, a polícia desencadeou todos os mecanismos de detenção. «Procedeu-se a detenção do suspeito que foi presente ao Ministério Público», assegura Maribel Rocha.

Para a Directora da PJ, a acusação que recai sobre o ex-ministro Carlos Vila Nova, deve implicar a manutenção do arguido em regime de prisão preventiva. Maribel Rocha explica que o Ministério Público optou por soltar o arguido impondo apenas o termo de identidade e de residência.

Uma decisão do Ministério Público  tomada com base numa carta, que segundo a Directora da PJ, foi endereçada ao Procurador Geral da República Kelve Carvalho pelo grupo parlamentar do partido ADI. «No mesmo dia em que o suspeito foi notificado a comparecer nesta polícia, o seu grupo parlamentar remeteu ao Procurador Geral da República, uma cópia da carta de reintegração do suspeito como deputado. É de referir que das diligências feitas pela PJ, junto a Assembleia Nacional, apurou-se que não houve a apreciação do pedido feito, logo o mesmo não é deputado em funções», precisou.

A decisão do Ministério Público de soltar o arguido com base na carta do grupo parlamentar do partido ADI, provocou surpresa da Polícia Judiciária. «Aproveitamos para exprimir a nossa surpresa por saber que o Ministério público aplicou um termo de identidade e de residência como fundamento de que o engenheiro Carlos Vila Nova é deputado, e goza das imunidades atribuídas aos deputados, quando é de todos sabido, que a competência para declarar o estatuto de deputados em exercício de funções, cabe exclusivamente a Assembleia Nacional», pontuou a Directora da PJ.

Abel Veiga

    12 comentários

12 comentários

  1. Windows 11

    7 de Abril de 2019 as 16:36

    Se realmente este governo quisesse combater a corrupção começava de processos bem antigos que todos nos conhecemos desde barco que o governo Santomense era proprietário que viajou e numca mais voltou sumiu, as casas do colombo que comerão dinheiro e montaram pre-fabricadas arroz podre Banco Equador Rafaie Branco que comprou toda cidade de S.tome Oscarito que baliou um cidadão que faleceu esta impune até hoje Adilino Isildo que o seu guarda matou homem porque banana os miores corruptos estão no MLSTP não da para nomera todos.
    Agora este governo governo se quisesse começava dos processos mais antigos não é chegar começar a prender dirigentes do ADI ilegalmente para fazer crer que não ha mais corruptos em S.tome e governar que é bom nada zero.
    Agora não vão ficar só neste teatro de prender dirigentes do ADI tem que mostrar trabalho para gente ver.

    • Vedé

      8 de Abril de 2019 as 9:09

      Estou vendo que há enganados a defederem intrujos. Se o povo pequeno sempre se queixava que a justiça santomense não funcionava aos interesses dos pequenos e agora que ela está começando a trabalhar estão repudiar. Deixem-na trabalhar. Quem não deve não teme.

      • Martelo da Justiça

        8 de Abril de 2019 as 11:10

        Windows 11, porque razão o ADI não o fez durante os 4 anos que esteve a governar?? Para alem de ter sido uma das bandeiras do ADI(Luta contra a corrupção),teve uma maioria absoluta, tinha os tribunais nas suas mãos etc. Por isso é que não faz sentido o que escreveu. O curioso é que os elementos do ADI tem usado esse mesmo argumento. Facilmente se compreende que o ADI não fez nada porque tinha intenções de fazer a mesma coisa, como está-se a verificar agora. Enfim, parece que a corrupção está no ADN dos nossos políticos e é transversal a todos os Partidos políticos.

    • Realista

      8 de Abril de 2019 as 12:02

      Quem comprou toda Francisco Cabral?!

  2. maria chora muito

    7 de Abril de 2019 as 18:35

    O bisneiro Patrice Trovoada veio se enriquecer a custa do Estado de STP. A questão é muito simples. Patrice, Americo, Vila Nova ganharam Euromilhões. Os sinais exteriores de riqueza devem ser investigados. Os bens devem ser imediatamente confiscados, mesmo os que estão na Europa.

    • SEABRA

      12 de Abril de 2019 as 11:00

      1000% DE ACORDO . Tudo deve ser confiscado, todos os bens, mesmo os que se encontarm no exterior do pais STP…pertence ao povo e ao pais.
      Nenhum desses individuos sao HERDEIROS ou de familia com meios, por isso sabemos que trata-se de ROUBALHEIRA feita ao Estado saotomense , privando assim o seu pobre POVO sacrifiado!

  3. Vanplega

    7 de Abril de 2019 as 18:55

    Windows 11
    Vai plantar bananeiras

    O ADI, não estava no poder, com maioria absoluta. Porque não fez.

    Porque não preendeu todos esses ladrões?

    Porque a intenção do ADI, também era roubar e roubaram muito.

    Deviam ter vergonha nesta puta da cara. São 47 milhões. Que os hospital, educação, transportes públicos, estradas, nossos idosos e muito mais precisavam para minimizar a situação.

    Prendao todos os ladrões, fazem voltar os milhões para cofre de estado.

    Essas pouca vergonha, têm que acabar.

    O procurador com tantos matérias para investigar nada faz e, foi rápido em libwrtar o ex ministro

    Vai ti embora procurador, a sociedade agradece

  4. Separação de poderes violada

    7 de Abril de 2019 as 19:36

    Ok o governo do MLSTP Jorge bom Jesus declarou guerra a corrupção gostaríamos de saber para quando vão começar a prender os corruptos do MLSTP a UDD?

    Ah ok não convém agora o plano é aniquilar o ADI.

    • SEABRA

      12 de Abril de 2019 as 11:08

      Anônimo, và resolver este problema da pretendida Aniquilaçao ADI junto do vosso bordélico grupo politico FANTOCHE, dos dirigentes camaleoes Agostinho Fernandes , Lévy Nazaré, Afonso Varela, Abnildo Oliveira , Baluba etc…isto porque o vosso COBARDOLA lider corrupto e DITADOR Patrice Trovoada, fugou e abandonou a PROA, sem rumo sem direçao….à Deus darà!
      ADI= MEDIOCRIDADE+ CAMBALACHO+CORRUPCAO+ INTRIGAS e COMPLÔS + DITADURA e REGIME TOTALITARIO…é de uma importância capital de DESFAZER deste veneno que tem sido a Desgraça de STP e do seu POVO.

  5. mezedo

    8 de Abril de 2019 as 7:58

    Existe gente tão parvo neste país que não enxergar a realidade, estando cego ainda preferem ficar a sombra da bandidagem defendendo os larápios,

    mas é claro muitos deles tem trocos que vem caindo mensalmente nas suas contas para ficar envergado a malabarismo.

    Se tivessem coragem como Santomense deviam saber que qualquer cidadão que gere bem do povo deve prestar conta.
    a justiça deve funcionar para todos e não só para um ladrão de galinha ou de banana.

    deixem de achar que esta a se perseguir pessoas e pensão no bem estar de todos Santomense.
    Quantos bens seriam feitos para este povo caso todos esse valores bem como outros que são desconhecidos viessem realmente servir o país.

  6. Vedé

    8 de Abril de 2019 as 9:17

    Não se trata da perseguição aos dirigentes do ADI, mas sim aos corruptos envolvidos no desvio dos 37 milhões de USD do empréstimos contraidos para fins indentificados. Acho que no ADI, todos não estão envolvidos.

  7. stop

    9 de Abril de 2019 as 17:56

    enfim!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo