Sociedade

17 milhões de dólares para garantir ensino de qualidade com atenção para as raparigas

O Banco Mundial através do seu Director Regional para São Tomé e Príncipe, Jean – Christophe Carret assinou com a ministra da educação e formação superior, Julieta Rodrigues, um acordo de donativo financeiro que visa o empoderamento das raparigas e garantia da educação de qualidade.

O donativo financeiro é de 17 milhões de dólares. O Banco Mundial assegura 15 milhões de dólares e a parceria global para educação completa o bolo com 2 milhões de dólares. Os dois financiadores do projecto de empoderamento das raparigas e educação de qualidade, garantem a execução do projecto, que só termina em Dezembro do ano 2025.

O responsável do Banco Mundial, que assinou o acordo na presença do Ministro das Finanças Osvaldo Vaz, destacou os objectivos do projecto. «Fazer com que as raparigas se sintam bem na escola, que possam ter acesso ao ensino sobre a saúde reprodutiva, e que as raparigas que deixaram a escola por causa da gravidez precoce possam regressar à escola», pontuou Jean Christophe Carret.

Para a Ministra da Educação e Formação Superior, o acto de assinatura do acordo representou um marco histórico para melhoria da política de educação no país. Julieta Rodrigues, reconheceu que a gravidez precoce é uma das principais causas do afastamento das raparigas da escola.

O projecto que abrange a educação pré-escolar até o ensino secundário, vai segundo o governo, dar ao sistema de ensino a qualidade que tanto persegue. «Capacitar as raparigas e combater a pobreza de aprendizagem apoiando a aquisição de competências para a vida das mesmas, e apoiar um ambiente de aprendizagem mais inclusivo às raparigas e pessoas vulneráveis», precisou a ministra da educação.

O projecto avaliado em 17 milhões de dólares, vai beneficiar 6 mil professores, 100 técnicos do sector da educação, mais de 74 mil alunos e 63 escolas.

Segundo a ministra da educação o projecto é composto por 5 componentes, nomeadamente o empoderamento das raparigas, combater a pobreza de aprendizagem, alcançar os mais vulneráveis, coordenação e monitorização do projecto e desenvolvimento de capacidades, e por fim o componente de resposta à emergências.

Abel Veiga

    3 comentários

3 comentários

  1. Sem assunto

    21 de Janeiro de 2021 as 7:32

    Querem apostar comigo que este projeto em nada vai dar?
    Quem disse que o problema educativo concentra se somente em raparigas que engravidam e são obrigadas a abandonar as escolas?
    Expõem nos cá a percentagen de desistência nos últimos 10 anos por causa da gravidez. Querem inventar coisas para ganharem por fora, isto sim.
    Querem dizer que a estrutura educativa é perfeita e o problema reside nos alunos?
    Que dizer do professor mal pago e pouco capacitado?
    Ou sejam querem mudar o currículo introduzindo novos manuais e novas metodologias para funcionar com a velha engrenagem, é isto?
    Devem estar a delirar!

  2. Lima

    21 de Janeiro de 2021 as 7:57

    As meninas nao teem filhos com a”choca” da bananeira.O ensino tem que ter em conta os rapazes que nao teem tambem a educacao no campo sexual.Saber proteger-se para que a namorada nao fique gravida estando ela tambem ainda na escola deve ser tambem a preocupacao dos namorados.Uma outra e muito importante é fazer compreender todos esses que pelo facto de serem”senhores importantes”eles nao teem o direito de engravidar as jovens e nao se responsabilizarem do resultado.Esse dinheiro, deve entao servir a Nacao toda que perdeu o sentido de responsabilidade,ja nao tem moral.
    Muito bem ter dinheiro mais o resto esta a me dar a entender que nao esta ainda bem pensado.SENHORAS E SENHORES de Sao Tome saibam utilizar a vossa inteligencia.Voces sao um povo inteligente mais o que vos falta é como empregar-la.Os senhores que inventaram cartozinhas sao tambem responsaveis dessa calamidade nas jovens.O Ministerio da Saude tem a sua parte na educacao sexual,e obviamente o Ministerio da Educacao.Nao se pode tambem esquecer-se dos pais,por mais pobres que sejam nao devem admitir que uns aproveitem das filhas deles.Nao quero eu dar licoes ,nao quero eu dizer que isso das jovens estarem gravidas sem meios economicos so existe nessa terra que é Sao Tome e Principe mas como sediz tambem la”demais é molesta”.O futuro de um pais esta nas maos da sua juventude.A juventude é raparigas como rapazes.
    Couragem senhores que teem a responsabilidade dessa terra.Pessam conselhos naqueles que nao estao diretamente implicados.Esses conselheiros nao podem ser so esses que dao o financiamento.Tambem pode ser os conteranios.Esses aqui se nao estao com o natiz muito perto teem um certo recuo para analisarem bem a situacao.Nao é so dizer voce nao esta dentro entao voce nao fala,voce nao conhece…Mas é justamente quando nao se tem o natis muito perto,os olhos pregado no assunto que se pode ver mais claro.Como quando a visao de perto ja nao foncina bem a gente ou mete oculos ou estica os bracos para poder ler bem e compreender a situacao.Bom como se diz quando se fala muito petde-se a razao entao fico por ai.
    Talvez esse portugues esta mal escrito mas penso eu que qualquer um que fizer esforco compreendera o sentido.

  3. matabala

    21 de Janeiro de 2021 as 13:30

    A questão não se encontra apenas na gravidez precoce, encontra-se na estrutura basilar dos bons principios e valores que estão há muito perdidos na nossa terra!!
    A gravidez precoce é só uma consequencia da falencia da familia e da nossa sociedade que tudo vê e acha normal o que se passa com as nossas jovens!Adultos e alguns supostamente bem colocados aliciam estas jovens desde escola com vida fácil a troco de alguns bens materiais!Familia maioria das vezes sabe e até incentiva…meninas abandonam escola pois encontram alternativa para sairem de vida dificil que tem em casa com falta de tudo para ír para casa montada por adulto, viver ás custas dele numa ilusão onde envolve pagamento de postiço, unhas, roupa, telemóvel, saldo e empregada para lavar roupa pensando que estudo não vai levar a nada melhor que aquilo que “conquistaram”…a gravidez vem a seguir! Receber esse dinheiro e não combater com a justiça o desvio dessas jovens pelos delinquentes da nossa praça é apanhar água com cesto!
    Dinheiro vai rápido com projecto fantasma e o problema fica

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo